Portuguese English French German Italian Spanish
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

FUTEBOL: "O Elvas" continua líder

Jogou-se na tarde de sábado, dia 12 de Fevereiro, a quarta jornada do campeonato distrital da Associação de Futebol de Portalegre - Divisão de Honra, excepção feita ao encontro entre o Gafetense-Castelo de Vide que apenas se irá realizar na tarde deste domingo, dia 13.

O Clube Alentejano de Desportos empatou sem golos frente ao Atlético Fronteirense, num jogo onde perdeu Rubi (cartão vermelho), e as saídas dos lesionados Pitufa e Roberto Paredes.

Contudo, e uma vez que o Sporting Clube Campomaiorense também empatou frente ao Arronches e Benfica 0-0, "O Elvas" continua lider deste campeonato distrital.

RESULTADOS FINAIS

Fronteirense, 0 - "O Elvas", 0

Alegrete, 1 - Gavionenses, 3

Arronches e Benfica, 0 - Campomaiorense, 0

Fonte: www.oelvascad.com

Projetos turísticos de Alqueva com ritmo lento devido a dificuldades de financiamento

Os projetos turísticos previstos para as margens da albufeira de Alqueva, no concelho de Reguengos de Monsaraz, avançam em ritmo lento devido às dificuldades de financiamento, em consequência da crise financeira e económica, revelou hoje o autarca local.

“Temos de reconhecer que os grandes empreendimentos turísticos, numa altura de crise, estão a um ritmo que não era aquele que inicialmente estava previsto”, afirmou o presidente da Câmara de Reguengos de Monsaraz, José Calixto.

O autarca alentejano falava à agência Lusa à margem da conferência debate “Alqueva: os próximos 10 anos”, que a Associação Alentejo de Excelência (Fórum Alentejo) organizou no cineteatro de Reguengos de Monsaraz, para debater as estratégias para o empreendimento.

José Calixto garantiu que, na Câmara Municipal, “já existem projetos de execução de obras”, mas, como “são projetos que custam algumas centenas de milhares de euros”, os promotores turísticos estão com dificuldades em obter financiamento.

“Numa altura em que escasseia o financiamento para grandes projetos, não é fácil chegar à banca e completar os capitais próprios que estavam inicialmente previstos”, admitiu o autarca.

A grande dificuldade dos promotores, acrescentou, “está em estruturar financeiramente operações que são de muitos milhões de euros e de longo prazo”.

O presidente do município adiantou ainda que o projeto da Herdade do Barrocal, com custos estimados em 140 milhões de euros, “está a passar por um processo de redefinição”, uma vez que a Aquapura Alentejo “saiu do consórcio”.

Já o Vila Lago Monsaraz - Golf & Nautic Resort, da Aprigius - Companhia de Investimentos Comerciais, que prevê um investimento de 170 milhões de euros, “deverá iniciar a obra, em princípio, ainda este ano”.

Também em declarações à Lusa, Jorge Ponce de Leão, diretor executivo do complexo Roncão d’el Rei, antigo Parque Alqueva, liderado pelo empresário José Roquette, adiantou que o projeto “está em curso”, mas “tem as dificuldades próprias da atual conjuntura”.

“Está em curso um reforço de capitais próprios para garantir que o projeto possa ultrapassar as dificuldades e enfrentar um ciclo económico especialmente difícil face à conjuntura gerada pela crise imobiliária e financeira”, revelou.

O mesmo responsável explicou que depois de selecionado o operador hoteleiro do complexo “houve a necessidade de reajustar os projetos de execução para adaptar o conceito arquitetónico ao modelo de exploração, conduzindo a uma alteração muito profunda do projeto”.

Este reajustamento, acrescentou, provocou um atraso de seis meses no projeto do primeiro hotel do complexo, o Hotel do Monte, sendo que a previsão de abertura é “meados de 2013”, mas o campo de golfe da unidade deverá entrar em funcionamento no próximo ano.

No global, o complexo turístico Roncão d'el Rei, a edificar ao longo das próximas duas décadas, comporta quase mil milhões de euros de investimento, sendo que 80 milhões de euros vão ser aplicados nesta primeira fase das obras. 

Voluntariado para desenvolver capacidade humana dos trabalhadores

A empresa Delta Cafés , está a apostar no voluntariado como forma de apoiar a sociedade e desenvolver as capacidades humanas dos seus trabalhadores.

“Eu sempre sonhei que, se pudesse, pensava nos outros, porque em certa altura, também tive quem pensou em mim. E realmente, este voluntariado não é uma arma mas sim um desígnio, esse é que é o caminho certo, é sermos úteis” sublinha Rui Nabeiro, presidente do conselho de administração do Grupo Nabeiro.

Através da criação de uma associação de solidariedade social própria, o “Coração Delta”, o Grupo Nabeiro é hoje uma porta aberta para acções de voluntariado e apoia vários projectos sociais, entre os quais o Hospital de Santa Luzia em Elvas.

Todas as tardes, um conjunto de funcionárias percorre as enfermarias, espalhando a atenção, o carinho e a amizade por todos os doentes, especialmente entre os mais idosos.

“O ser voluntário não é só dar comida, é saber ouvir e dar uma palavrinha de apoio” realça Maria de Jesus Gil, que integra a equipa do “Coração Delta”.

Com o passar dos dias, o tempo disponibilizado com os doentes permite criar uma relação mais próxima. O voluntariado, mais do que um projecto, torna-se numa forma de vida, num envolvimento emocional que é impossível deixar para trás.

“Há várias vezes em que somos apanhadas de surpresa, que vimos um bocado abaladas” conta Anabela Simas, outra das funcionárias do Grupo Nabeiro que abraçou este trabalho. “Mesmo que a gente não queira, sempre vivemos as situações que vamos apanhando ao longo destes dias que lá vamos. Mas nós, quanto mais vezes vamos, aprendemos a conviver com essas situações” acrescenta.

O crescimento pessoal e afectivo que se verifica em cada funcionário, ao participar nos projectos de voluntariado, é para Rui Nabeiro, outro grande objectivo.

“Estou a investir mais, estou a dar-lhes uma consciência, estou a aproximá-lo de uma realidade de vida”. Cada vez mais, as palavras “solidariedade” e “voluntariado” estão a entrar no vocabulário quotidiano das empresas, algo que, para o presidente do conselho de administração do Grupo Nabeiro, só pode trazer frutos positivos.  “Eu noto que, após toda esta atitude, o pessoal é mais forte, mais carinhoso, mais amigo, mais saudável”, conclui Rui Nabeiro.

Além de protocolos desenvolvidos com diversos hospitais do país, o Grupo Nabeiro, através da associação “Coração Delta”, apoia dezenas de famílias no concelho de Campo Maior e mais de 100 instituições a nível nacional.

2011 é o Ano Europeu do Voluntariado, por decisão do Conselho de Ministros da União Europeia, com o objectivo de estimular o desenvolvimento de “actividades voluntárias que promovam uma cidadania activa”.

Faixa publicitária

ELVAS.com.pt O Portal da Cidade
´