Portuguese English French German Italian Spanish
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

ELVAS: Mariza a 15 de Abril no Coliseu

O Coliseu José Rondão Almeida recebe no próximo dia 15 de Abril, a partir das 22 horas, o espectáculo que promove o quinto trabalho discográfico da fadista Mariza.

Depois de nove anos de viagens pelo mundo, Mariza regressa às origens com o seu "Fado Tradicional".

Este novo trabalho foi apresentado no final do mês de Novembro nos Coliseus do Porto e Lisboa, sendo Elvas a única data confirmada, até ao momento, no Alentejo. Em 2011, de acordo com o site oficial da fadista, a intérprete vai subir ao palco de países como Turquia, Polónia, Espanha, Finlândia, África do Sul, Holanda ou Suiça.

Há muitos anos que Mariza pensava gravar um disco de fados tradicionais. Na cabeça tinha a imagem do que fizera em "Fado em Mim" (World Connection, 2001), o primeiro disco da sua carreira, uma mescla de tradicionais com as sonoridades que marcariam os álbuns seguintes. Mas não sabia quando se atreveria a tal. "Em criança, disseram-me que eu era diferente, que cantava de outra forma." A constatação anónima continuava a ecoar dentro dela e o profundo respeito pela tradição mantinha-a afastada do projeto.

A digressão mundial de "Terra" (EMI, 2008), porém, precipitou a gravação deste "Fado Tradicional" (EMI, 2010). O viola Diogo Clemente desafiou-a inúmeras vezes. "Tenho de te ouvir cantar fado tradicional, não me chega só o 'Primavera' e o 'Alexandrino'", dizia-lhe repetidamente. O desafio foi aceite durante o verão, e o músico e letrista assumiu o papel de produtor.

Tinha chegado a hora. Não poderia ter sido antes de atravessar os universos musicais que constituem o seu próprio mundo. Uma viagem que não tem ainda data de término. "Passaram dez anos de discos. Adorei cada momento, cada concerto, cada aplauso, cada sorriso, cada lágrima. E sinto que estou mais velha, mais atenta, vivo a música de uma forma mais sustentável", explica Mariza. "Além disso, a candidatura do fado a Património Imaterial da Humanidade acontece agora. Faz sentido cantar tudo o que sempre respeitei no fado, faz sentido regressar à minha infância."

Porque é disso que se trata. Em "Fado Tradicional", a fadista deixou-se levar numa outra viagem, a dos sons, imagens e cheiros da meninice, escolhendo cada tema do novo trabalho "sentada algures na taberna dos meus pais na Mouraria". É lá que recupera 'Fado Vianinha', de Francisco Viana, 'Promete, Jura', celebrizado por um Artur Batalha no auge de carreira, e "antes de a vida lhe ter pregado uma partida", 'Rosa da Madragoa', de Frederico de Brito, num passeio em que ainda saúda nomes como João Ferreira-Rosa, António Botto, Fernando Pessoa, Amália Rodrigues e Alfredo Marceneiro. "A responsabilidade é muita, o respeito total e o aproveitamento nulo", garante.

A prova está na criação de espetáculos "intimistas e aconchegantes". A cenografia, criada a partir do projeto do arquiteto Frank Gehry para um concerto seu no Walt Disney Concert Hall de Los Angeles, tornará o palco na taberna da sua infância levada para uma rua de Lisboa, uma espécie de beco pontuado por mesas, onde o fado vai acontecendo. As salas onde a digressão passará depois do Porto e de Lisboa serão mais pequenas, mas receberão o espetáculo pelo menos durante dois dias. "Acabaram-se os Royal Albert Halls! Não se pode receber o fado tradicional de outra maneira. Ele é uma coisa de pele, uma vibração."

ELVAS: CRP da Boa-Fé soprou 52 velas

O Centro de Recreio Popular da Boa-Fé (CRP) completou no passado dia 8 de Dezembro (quarta-feira), o seu 52.º aniversário.

Para assinalar a data, a direcção do CRP da Boa-Fé preparou um programa festivo que incluiu a realização de um jantar, seguido de noite de fados.

Veja aqui a nossa fotoreportagem.

Portalegre sem luzes de Natal

O Natal em Portalegre vai ser menos iluminado, mas em compensação, as famílias mais carenciadas vão contar com mais apoio por parte da autarquia. O executivo camarário decidiu suspender a colocação de iluminações de Natal nas ruas da cidade para encaminhar as verbas disponíveis para a área social.

"Nós abdicámos das luzes de Natal, porque neste momento estamos a concentrar-nos na área da acção social. Face aos constrangimentos e aos pedidos que temos tido, achámos que devíamos canalizar esse dinheiro para essa área", declarou a vice-presidente da autarquia, Anabela Teixeira, em declarações à agência Lusa.

De acordo com a autarca, "há um aumento" de pedidos ao município por parte de pessoas que estão em dificuldades, o que torna esta medida compreensível". Adelaide Teixeira explicou que a Câmara de Portalegre detinha uma verba de 15 mil euros para contratar, junto de uma empresa da especialidade, a  iluminação de Natal, mas "à última hora" a empresa exigiu receber a verba  por completo, de uma só vez. "Nós não podemos dar à cabeça dinheiro, isso é ilegal. Só no final dos serviços", sublinhou. Perante a situação, Adelaide Teixeira voltou a reforçar a ideia de que  o apoio aos mais necessitados constitui uma "prioridade".

A decisão apanhou de surpresa a Associação Comercial de Portalegre, que contava com as iluminações de Natal para dar uma ajuda aos lojistas. "Quando soube, fiquei surpreendido. Compreendo a situação da câmara quando confrontada com esse pagamento a cem por cento à cabeça, mas esta situação é desagradável porque soubemos disto tudo à última da hora", afirmou o presidente da Associação, António Lopes.

Faixa publicitária

AUTENTICAÇÃO


ELVAS.com.pt O Portal da Cidade
´