Portuguese English French German Italian Spanish
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária

Presidente de distrital do PSD acusa Governo de "desconsiderar" o Alentejo

O presidente da Distrital do PSD de Portalegre, Cristóvão Crespo, reeleito sexta-feira à noite para o cargo, acusou o Governo de 'discriminar' sistematicamente aquela região alentejana, uma situação que considera "dramática".

"Eu não consigo perceber as razões que levam o PS a tratar esta região da forma como trata, com todas as desconsiderações. A forma como trata o distrito de Portalegre é dramática", disse Cristóvão Crespo, em declarações à Agência Lusa.

De acordo com o responsável político, "é fundamental que a população de Portalegre perceba o problema que o PS tem provocado no desenvolvimento da região".

Cristóvão Crespo, também deputado do PSD, eleito pelo círculo eleitoral de Portalegre, foi reeleito sexta-feira à noite para presidente da Comissão Política Distrital do PSD de Portalegre, ao encabeçar a única lista candidata ao cargo.

O presidente da distrital laranja prometeu que no decorrer do novo mandato vai continuar a defender a construção de uma auto-estrada que ligue Portalegre a outras regiões, entre outras matérias que considera "importantes" para o desenvolvimento do norte alentejano.

Cristóvão Crespo mostrou-se bastante crítico para com a governação socialista, considerando ainda que nesta altura o Governo está "sem uma noção do futuro".

"Eu não espero grande coisa deste Governo nem para Portalegre, nem para o país. Aquilo a que nós chegamos à conclusão é que o Governo está completamente a navegar à vista, sem uma noção do futuro porque perdeu completamente o controlo orçamental", disse.

Doentes espanhóis também devem usufruir de serviços portugueses

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros defendeu ontem, no Hospital de Santa Luzia, que os doentes espanhóis também devem usufruir dos serviços de saúde prestados em Portugal, à semelhança do que acontece com os doentes portugueses em Espanha.

“Se há um conjunto de cuidados de saúde que são prestados em Badajoz (Espanha), também há certamente um conjunto de cuidados que podem ser prestados do lado de cá da fronteira e deveríamos fazer disto uma alavanca de desenvolvimento”, disse Maria Augusta Sousa, em declarações à Agência Lusa.

Atualmente existem protocolos entre o Ministério da Saúde, através da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, e o governo regional da Extremadura espanhola para a prestação de cuidados médicos em Badajoz, nas áreas da obstetrícia e doenças cardiovasculares.

“Em zonas transfronteiriças, como é o caso de Elvas e Campo Maior, devemos apostar na complementaridade e não na duplicação da prestação de serviços de saúde, porque é a única forma de garantir que os recursos disponíveis são bem utilizados em função das necessidades dos cidadãos”, frisou a bastonária.

Maria Augusta Sousa falava durante uma vista ao Hospital de Santa Luzia, em Elvas, integrada na Semana da Bastonária da Ordem dos Enfermeiros, a decorrer até sexta feira no Alentejo.

“É importante analisarmos os atores que estão diretamente implicados e que garantem a organização dos cuidados de saúde e apostar na correta planificação, coordenação e financiamento dos mesmos”, defendeu Maria Augusta de Sousa.

Quanto aos cuidados de saúde que poderiam vir a ser prestados aos doentes espanhóis do lado português da fronteira, a bastonária considerou ser necessário analisar a questão com os profissionais do setor espanhol.

“O Hospital de Elvas presta um nível de cuidados bastante elevado. Áreas como a diálise poderiam ser protocoladas com Espanha, bem como a utilização de recursos como a telemedicina, que não implica a deslocação de pessoas”, avançou a bastonária.

Maria Augusta de Sousa sublinhou também a experiência que vem sendo desenvolvida em Portugal na prestação de cuidados à população mais envelhecida

“A população portuguesa é cada vez mais envelhecida e nós temos desenvolvido boas políticas na prestação de cuidados de saúde na área da geriatria. Essa poderia ser também uma área a explorar, de forma a dispormos aqui de uma oferta de excelência e complementariedade”, sugeriu.

Turismo do Alentejo apresenta nova identidade

“Alentejo, Tempo para ser feliz” é a assinatura da nova imagem e linha de comunicação criadas para qualificar a Região como um destino de excelência, possuidor de uma oferta turística ímpar.

O branding, desenvolvido pela Draftfcb, dá a conhecer um Alentejo moderno e atractivo, que apresenta uma oferta turística diversificada e de elevada qualidade. A assinatura “Tempo para ser feliz” indica que o tempo no Alentejo tem outra medida: é mais vasto, mais humano, mais profundo e mais aberto.

A nova estratégia de marca posiciona o Alentejo como uma paragem na rotina do dia-a-dia, enquanto a escolha da Região para passar férias ou fazer uma visita significa poder experienciar um destino verdadeiramente genuíno. Tranquilidade e diversão saudável são contrastes associados a este destino de eleição.

A imagem do Alentejo será promovida através de uma campanha de publicidade na imprensa, rádio e internet, com início no final de Novembro. Estão ainda previstas outras acções promocionais, nomeadamente a criação de brochuras, guias de produtos, roteiros, filmes, mini-spots e a dinamização constante dos Media Sociais.

“Férias em família”, “Escapadelas a dois”, “Mochila às costas” e “Seniores activos” são os quatro segmentos-alvo do plano promocional, que visa aumentar a notoriedade do destino e potenciar o crescimento turístico na Região, contrariando a tendência de sazonalidade.

Com o objectivo de captar a atenção para o destino Alentejo, estão ainda programadas “acções de guerrilha” ao ar livre, em locais de grande afluência de público, de forma a alcançar directamente potenciais visitantes/turistas.

Touring Cultural e Paisagístico, Sol e Mar, Gastronomia e Vinhos, Turismo de Natureza, Turismo Náutico, Golfe, Saúde e Bem-Estar e Resorts Integrados são alguns dos produtos que compõem a oferta turística da Região, e que são dirigidos quer a casais jovens, seniores, famílias quer a turistas que procuram férias activas na Natureza ou apenas desfrutar do silêncio.

A Turismo do Alentejo tem como objectivo, para 2011, estimular um maior envolvimento dos players regionais e da comunidade local na qualificação da oferta turística. Irá, assim, criar uma Rede de Centros de Acolhimento Turístico e candidatar o “Bem Montado” a Património da Humanidade, a identidade mais expressiva do território alentejano, única no mundo.

Está também previsto o lançamento de projectos inovadores para dinamizar os Produtos Turísticos da Região, como a “Rota dos Mármores”, a criação de um Observatório Regional, em parceria com instituições de ensino superior e empresas turísticas do Alentejo, e os Congressos do Turismo do Alentejo. Estas iniciativas permitirão atrair investimento e reforçar a promoção do destino.

Para o presidente da Turismo do Alentejo, António Ceia da Silva, “o trabalho desenvolvido nos últimos anos e o iniciado nesta etapa, tem como objectivo crescer em número de turistas e em valor, potenciando o cross-selling com Lisboa.”

Entre Janeiro e Setembro de 2010, o Alentejo contabilizou 933.452 dormidas de turistas, o que corresponde a um aumento de 5,4 por cento face a igual período do ano anterior.

Faixa publicitária

AUTENTICAÇÃO


ELVAS.com.pt O Portal da Cidade
´