Portuguese English French German Italian Spanish
Faixa publicitária
Faixa publicitária

COVID-19 : Governo confirma novo confinamento

O Governo confirmou este sábado, dia 9 de Janeiro, que o país vai avançar para um novo confinamento. O anúncio foi efectuado por Mariana Vieira da Silva, Ministra da Presidência, após o término das audições com todos os partidos com assento parlamentar no Palácio de São Bento.

Segundo a ministra, "o confinamento será muito próximo daquele que existiu nos meses de Março e Abril, garantindo em princípio que não fecharemos nada que não tivesse sido fechado, e portanto a agricultura, a indústria, a distribuição continuará a funcionar, de forma a garantir também, que os bens essenciais do portugueses, não faltarão".

"O detalhe, ao certo…, de cada tipo de loja de cada tipo de comércio, não vale a pena estar a adiantar, pois, se já soubesse-mos já teríamos tomado as medidas", disse a ministra.

"É necessário percebermos que se tivéssemos tomado as medidas à uma semana, teríamos tomado medidas com base em informação incompleta… foi por isso que adiamos uma semana, e é por isso que é fundamental ouvir na terça-feira os peritos", disse Mariana Vieira da Silva.

O anúncio deste novo confinamento deverá ocorrer na terça-feira, dia 12 de Janeiro, depois da reunião do Conselho de Ministros.

ELEIÇÕES: Voto antecipado em mobilidade pode ser pedido a partir deste domingo, dia 10 de Janeiro


 
Os portugueses que não puderem votar nas presidenciais marcadas para o próximo dia 24 de Janeiro, podem pedir, a partir deste domingo, dia 10 de Janeiro, para exercer o seu direito de voto uma semana antes, numa mesa de voto à sua escolha. O voto antecipado em mobilidade foi alargado por lei aprovada no parlamento e pode ser feito na sede de cada um dos 308 concelhos do país, em vez da sede do distrito, como aconteceu nas eleições legislativas de 2019.

Assim, quem quiser antecipar o seu voto para 17 de Janeiro, numa qualquer Câmara Municipal, em vez do dia 24 na mesa de voto onde está inscrito, tem de o fazer entre domingo e quinta-feira, dia 14.

O pedido pode ser feito por via electrónica junto do Ministério da Administração Interna, em www.votoantecipado.mai.gov.pt ou através de correio normal. O eleitor deve mencionar o nome completo, data de nascimento, número de identificação civil, morada, mesa de voto antecipado em mobilidade onde pretende exercer o direito de voto, endereço de correio electrónico e/ou contacto telefónico, havendo uma minuta na página da Internet do Ministério da Administração Interna.

A 17 de Janeiro, o eleitor vota na mesa do local escolhido, de acordo com a alteração à lei, aprovada em Outubro pela Assembleia da República.

Além do voto antecipado em mobilidade, há mais possibilidades de exercer o direito cívico antes do dia 24 de Janeiro. É o caso dos eleitores em confinamento obrigatório devido à pandemia de Covid-19.

Neste caso, terão de manifestar a sua intenção de votar no domicílio ou noutro local que não hospitalar entre quinta-feira e domingo (entre 14 e 17 de Janeiro) através de carta ou no site www.votoantecipado.mai.gov.pt. Equipas municipais, devidamente equipadas e com regras sanitárias estritas, recolherão depois o  voto nos dias 19 e 20 de Janeiro.

De recordar que as eleições presidenciais estão marcadas para 24 de Janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

COVID-19: Câmara de Elvas reduz ao essencial colaboradores a trabalhar nos serviços municipais


 
A Câmara Municipal de Elvas reduziu, ao essencial, o número de colaboradores administrativos e operacionais, a trabalhar presencialmente nos serviços municipais, de forma a prevenir a propagação da Covid-19.

Segundo Nuno Mocinha, presidente da Câmara Municipal de Elvas, "a Câmara não pode parar… se não pode parar, tem de tomar todas as medidas para que, caso surja alguma dificuldade dentro da própria instituição, em termos de casos positivos, esteja preparada para nunca parar", disse o autarca esta terça-feira, dia 5 de Janeiro, em conferência de imprensa.

O autarca explicou ainda que as medidas tomadas, "em termos preventivos", começaram com o encerramento dos “nossos equipamentos culturais e recreativos por salvaguarda a esta questão. Neste momento, tínhamos uma equipa a funcionar na câmara que vamos reduzir ao essencial, ou seja, só trabalhará presencialmente quem for exclusivamente necessário estar no local de trabalho. Vamos também reduzir o horário de atendimento ao público, para que se proceda ao mínimo de contactos possíveis e vamos privilegiar os contactos por via electrónica ou telefónica”, salientou.

"A Câmara continua aberta, e a dar resposta a tudo aquilo que for as solicitações por parte dos elvenses. Aquilo que vamos é salvaguardar, para que se houver algum caso positivo dentro da câmara, tenhamos sempre uma resposta activa e ninguém fique privado de algum serviço por parte do Município de Elvas".

"O atendimento presencial vai ser feito das 9 às 12 horas, no Balcão Único de Atendimento, e sem ser presencial no horário normal, das 9 às 17 horas, por telefone ou email, de segunda a sexta-feira", esclareceu o autarca.
Faixa publicitária
Faixa publicitária

ELVAS.com.pt O Portal da Cidade
´